Responsabilidade do síndico em acidentes graves com gás em condomínios

Compartilhe:

A falta de manutenção na rede de gás dos condomínios pode causar diversos acidentes graves. Mesmo com o gás individualizado a responsabilidade por cumprir as normas específicas é do síndico. Mas, afinal quais os erros que ocorrem nos condomínios por parte de moradores, falta de manutenção e cuidados que geram os acidentes gravíssimos, inclusive muitos, infelizmente com mortes?

Tem sido cada vez mais comum nos depararmos com notícias tristes deste tipo de acidente. Como por exemplo o acidente que ocorreu no Chile. O consultor especialista em Gás Diego Soares da Converte Gás explica que se houvesse ocorrido a instalação do aquecedor e manutenção preventiva de no mínimo de 6 meses a possibilidade de algo do gênero poderia ter sido evitado. “A norma 13103 e 15526 explica exatamente como deve ser instalado”, diz o consultor.

Relembre aqui o acidente do Chile em reportagem da TV GLOBO

Diego Soares alerta da importância do síndico saber se sua rede de gás está segura.”As instalações de gases combustíveis representam um risco operacional para o Condomínio e seus usuários, devendo ser uma das prioridades a sua perfeita manutenção e inspeção periódica para garantir a integridade física

Solicitamos ao Diego Soares que listassem algumas dicas para nossos síndicos. Segue abaixo:

Dica para o cuidado do síndico

  • Ter um perito para avaliar e vistorias as instalações dos equipamentos a gás, com isso é gerado um relatório, onde o síndico poderá comunicar o morador para realizar as possíveis ocorrências.

Dica para o condômino/morador

  • Da mesma maneira que o síndico, o morador deve procurar peritos na área para avaliar as instalações de seus equipamentos.

O que é necessário vistoriar nos condomínios:

– instalações dos aquecedores (válvula, flexível, duto e terminal T);

– Instalação do fogão (válvula, flexível)

– Medidores e reguladores.

Observação:  Os reguladores é de suma importancia, pois por se tratar de pressão, o rompimento do diafragma é passível, tendo a possibilidade de uma pressão alta nos equipamentos ocorrendo explosões ou incêndios no local.

O consultor complementa dizendo que na realidade, o que falta é a informação chegar até os moradores, síndicos, administradores e imobiliárias. Destaca ainda a importância de ter profissionais com experiência e habilitados a realizarem essas perícias.

Na prática com os síndicos

Para o síndico profissional PIETER MARINUS associado do Clube Síndico Profissional é importante o síndico estar atento a todos os procedimentos. “O nosso abastecimento de gás no prédio e feito por uma companhia específica, pois é  encanado e com relógio individual onde a conta vem para cada apartamento. O zelador do prédio costuma descer todos os andares e nas garagens por onde passa o encanamento externo verificando se pode existir algum cheiro e consequentemente vazamento. Mas sempre que algum morador reclama de cheiro de gás e feito imediatamente a verificação no andar e aberto uma chamada de urgência a companhia”, explica.

Pieter alerta ainda para o tempo da realização das instalações. Em seu edifício ele já está providenciando a substituição da rede devido ao tempo de 10 anos.

No dia 30 de julho (terça-feira) o Jornal Folhacon em conjunto com o CLUBE SINDICO PROFISSIONAL realizarão um CAFÉ DA MANHÃ para debater o PERIGO DE VAZAMENTO DE GÁS EM CONDOMÍNIOS. O evento ocorrerá em Curitiba. Para participar basta preencher a ficha aqui. Se você não está em Curitiba poderá deixar sua pergunta para os especialistas e síndicos abaixo.

INSCREVA-SE NO CAFÉ COM SÍNDICOS

Deixe abaixo sua pergunta ou comentário

Eli Antonelli

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *